Feminicídio, a palavra do momento

Feminicídio, a palavra do momento

Nos mais antigos relatos da humanidade, sabe-se da diferença entre homem e mulher, fêmea e macho. Mas, nunca se soube que o homem/macho poderia bater na sua mulher/fêmea, afinal deveríamos ter inteligência, já que temos raciocínio e nos comunicamos através da fala, não por latido, miado, relincho ou qualquer outra forma animal, selvagem, sem condições de ser responsável pelos seus atos. 

 

Pois bem, vamos ver essas duas espécies nesse texto como macho e fêmea, mesmo por que estamos tratando de selvageria e não de relação humana. Quando o animal quer se comunicar, costuma ter ruídos, mas entre eles esses ruídos são compreendidos, isso não significa que estão brigando. Em determinados momentos é usado com violência, mas qual seria a forma que teriam para demostrar um descontentamento? Matam outros animais por invasão do espaço ou por alimento, mas suas companheiras sabem mito bem quem são, não machucam, são irracionais. 

 

Agora o macho humano não só tem ruídos assustadores como também, avançam, machucam e humilham suas fêmeas, mais do que outras pessoas que vivem ao seu redor, e invadem sua privacidade, julgam e te dando um sorriso e apunhalando pelas costas, te difamam. Suas fêmeas não podem ter o controle da própria vida, atitudes que bem quiserem, decisões, e principalmente independência, ser quem quiser ser.  

O mundo evoluiu, tudo mudou, mas o machismo não perde a majestade. Somos julgadas pelas roupas que usamos, pela idade, pela postura diante de determinados assuntos, pelo trabalho, pelo salário, pelo sexo. Somos seres humanos pensantes, com inteligência e capacidade para ter controle da própria vida. Temos direitos e deveres como todos, independente do sexo ou escolha. De falar sim ou não! De querer e não querer, de ter segredos, sonhos, medos e repulsa. 

 Feminicídio não é apenas uma palavra, é uma arma nas mãos de alguns machos desequilibrados, ancestrais, selvagens, que acham que sua condição é ter violência contra aquela que serviu de instrumento para chegar à Terra. Contra aquela que cuida, ajuda, mas não é sua mãe, é uma mulher, que só quer ser feliz. Mas que felicidade é essa? Será que só agora descobrimos que felicidade não é dividir sua vida com ninguém? É apenas dividir suas escolhas consigo mesma. Respeite quem um dia acreditou em você. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *